O cinema fotográfico



       "Campo de Flamingos sem Flamingos" de André Príncipe é um filme eminentemente fotográfico que acompanha a sua obra fotográfica e lhe faz justiça. É curioso que surja assim um filme que apresenta uma qualidade tão pouco expectável no cinema, onde o tempo cinematográfico foi convertido momentaneamente naquele outro da fotografia e parece ser domado por ela. É possível fazer um objecto de visionamento assim, vêmo-lo em galerias, em locais pouco apropriados ao cinema, mas então o filme de André Príncipe revira-se e depois de ter subjugado a tela à experiência da visão fotográfica do autor, divide-se para um segundo momento onde se afirma como o travelogue que o autor pretendia.
       A primeira parte deste filme vive de tempos fotográficos, cenas individuais filmadas no tempo, isoladas entre si e sem contacto. O que é extraordinário é que esses tempos não pareçam remeter para nenhum passado ou nenhum futuro, mas transformam-se antes numa experiência visual onde pela visão do fotógrafo e realizador nos é dado um presente contínuo, momentos sucessivos de presente que podiam todos eles fazer parte de uma e só fotografia mas que aqui se afirmam no movimento. Sem que esse movimento se revele nostálgico em relação ao anterior (personificado à relação que o espectador estabelece com os momentos cinematográficos), tornam-se momentos de um presente fotográfico. Este presente é algo relativamente recente para a tela do cinema que, mantendo as suas linguagens, sofrerá a mutação dos tempos narrativos que devenham das interacções entre linguagens, como neste caso, da permeabilidade entre a fotografia e o cinema. 
       A segunda parte do filme começa precisamente onde o presente da primeira cessa. Regressamos a uma das cenas  (sem que antes isso tivesse sucedido) fora do seu tempo, ou seja, depois dele e então tudo começa a ser o depois e o antes. Um depois e um antes que em nada fogem ao presente porque lhe são contíguos mas que na narrativa deste filme se lhe dirigem em resposta. A luz de um contínuo dia presente começa a cair, mas começa a cair na mesma exacta proporção em que esteve vigorosa anteriormente, fotografias de um fim-de-dia contínuo. 
       Na sucessão das imagens que regressam às cenas anteriores e das novas imagens nocturnas, a luz ténue ou pontual dos espaços exige um movimento diferente às imagens. Umas revelam-se como fotografias desse outro momento da visão — o da luz ténue, onde tudo é indiscernível e mais claro ao mesmo tempo. Essas novas imagens fotográficas são então corrompidas pelo regresso aos pontos de narração das anteriores, ou até mesmo da narrativa exposta pelo único protagonista e que circula o filme juntamente com a visão do autor. Neste segundo momento, André Príncipe e a sua equipa surgem figurados, dentro desse tempo que já não é um antes ou depois das fotografias filmadas, mas um durante, o seu fazimento. Esse corromper da visão fotográfica repõe o realizador dentro do seu filme, como antes era hábito repor o fotógrafo dentro do seu livro. O filme de André Príncipe vive desta sua afirmação de visão particular e individual do mundo, e surge-nos como um complemento da sua fotografia.

"Campo de Flamingos sem Flamingos" de André Príncipe


1 comment:

-艳 钟 said...

Falling in love with the rolex replica sale Omega Seamaster Professional Chronometer is easy. The diver doesn't sport anymore the wavy dial that prevailed in its earlier model; the replica watches sale with a plain, lacquered dial (which is just one enhancement among quite a few) and a ceramic bezel insert. These definitely made the price tag get heftier but it replica watches also made Omega garner more prestige as an astonishing, classic dive watch upgraded to much betterment. Lovingly called the breitling replica blue three-hander, Omega produces the blue hue like no one else does. It's both subtle and deep, starkly opposite to the replica watches uk brighter and distracting blues many of the other big brands come up with. Oftentimes, that fake rolex sale brightness doesn't feel comfortable; with the Seamaster, you never face such an issue.